A ESCOLHA DA CIDADE E O ALOJAMENTO

Em Agosto de 2016 estive em Espanha e visitei várias cidades - Granada e Sevilha, por exemplo - mas foi em Almuñécar, bem a Sul, que passamos a maioria dos dias. Quase todos, na verdade. Isto porque a ideia era ficar numa "cidade balnear", mas ao mesmo tempo que ficasse relativamente perto de outras cidades cujos pontos de interesse fossem mais culturais e, portanto, esta pareceu-nos a escolha ideal.

Posto isto, estava na altura de escolher o local exacto onde íamos ficar alojados que precisava, obviamente, de ficar junto à praia. Pesquisamos bastante e, neste site, encontramos uma casa que nos chamou atenção: dois quartos, uma sala, um terraço com uma mesa, cozinha, casa de banho e... piscina! Perfeito.

A verdade é que a casa era tal e qual como nas fotografias, tinha ar condicionado, wi-fi, televisão... tudo o que prometia. Porém, acabou por não ser tão perto da praia como gostaríamos. Ou melhor, era perto, sim, mas o acesso a pé não era rápido como gostaríamos que fosse. Isto porque a casa se localizava numa encosta íngreme e, portanto, subir a pé quase 900m com mais de 40° não era propriamente agradável.



A VIAGEM

Tendo em conta que Almuñécar não é propriamente longe e a nossa intenção era aproveitar para visitar outras cidades próximas, a solução mais indicada era levar o carro: tínhamos carro para a viagem, para nos deslocarmos para as outras cidades e para nos deslocarmos em Almuñécar - ir às compras, ir para a praia, etc. 

Ir de carro revelou-se uma experiência bastante agradável. Mesmo para mim que opto sempre pelo avião quando se tratam de viagens longas. Saí de casa com o coração apertadinho por pensar nas horas de viagem que se seguiam mas, com o tempo, foi passando. À medida que as paisagens incríveis iam aparecendo, o meu coração acalmava e eu ficava um bocadinho mais feliz e despreocupada. Adormeci algumas vezes, despertei outras e, de repente, estávamos em Almuñécar.



A CIDADE

A cidade revelou-se exactamente aquilo que esperávamos que fosse. Era maioritariamente dedicada à praia, completamente equilibrada, com mercados e lojas dedicadas ao turismo e paisagens incríveis.

Quanto à praia, revelou-se um pouco agridoce. A água era super agradável, relativamente quente, nada agitada. Impecável. O problema foi a areia. Ou melhor, a falta dela. A areia deu lugar a pedras que, obviamente, magoavam quem se deitava na toalha, pelo que só conseguíamos estar 100% confortáveis numa espreguiçadeira - que podíamos alugar facilmente em vários locais da praia.

Além da Playa Puerta Del Mar a cidade tinha, obviamente, outras atracções turísticas. Algumas delas, dedicadas completamente ao turismo balnear, como mergulho, passeios de barco, parques aquáticos... e outras mais relacionadas com a cidade e cultura geral.


(Penones de San Cristobal)

Como exemplo, temos o Parque Botanico El Majuelo - um parque com árvores de vários lugares do mundo e esculturas de vários artistas. Era incrivelmente bonito e um lugar bastante agradável para passear.

Além disto, tínhamos o Aquarium - que reunia algumas das espécies do Mediterrâneo -, o Castillo de San Miguel que, acredito, nos ofereça uma paisagem incrível sob a cidade, tendo em conta a sua localização.



DESLOCAÇÃO NA CIDADE

Como já disse várias vezes aqui no blog, eu sou apologista de visitar uma cidade a pé sempre que possível e Almuñécar é uma cidade que se faz relativamente bem a pé a menos que esteja um calor insuportável, o que acontece na maioria dos dias em Agosto. 

Saí várias vezes à noite para passear à beira-mar, no Parque Rio Verde, para subir ao miradouro onde víamos os Penones de San Cristobal, entre outras coisas e fi-lo sempre a pé. Obviamente, as noites eram relativamente mais frescas que os dias e, portanto estes passeios eram bastante agradáveis. 

Durante o dia, tínhamos duas hipóteses: levar o carro até à praia ou ir a pé. Acabamos quase sempre por optar pela segunda opção uma vez que, como devem imaginar, é bastante complicado encontrar estacionamento livre tão perto da praia e, se era para deixar o carro longe da praia, era preferível ir a pé. Afinal, não era assim tão longe.



Para mim, Almuñécar é isto. Revelou-se uma experiência maravilhosa e confirmei factos sobre mim que já sabia há bastante tempo: sou uma miúda de piscina. Prefiro cidades com museus e monumentos ao invés de cidades direcionadas ao turismo balnear. Tenho um medo incrível de baratas. A Natureza acalma-me de uma maneira inexplicável e sou incrivelmente feliz a ler deitada numa espreguiçadeira.