Tour Eiffel
Chegamos a Paris dia treze de outubro, depois de um voo muito tranquilo. Era sexta-feira à noite e sabíamos de antemão que aquele dia era dedicado apenas à viagem e que a aventura só começava a sério no sábado de manhã. E ainda que possa ser difícil acreditar, o trajeto aeroporto - casa foi o suficiente para eu me apaixonar por aquela cidade. Eu estava tão feliz por estar ali e parecia que Paris também estava feliz por me ter ali.

Estava no carro e, no momento em que o semáforo fica verde e fico de frente para a Torre Eiffel, as luzes acendem e ficam a piscar. Não pude parar mas tenho a certeza que foi ali que me apaixonei. Que receção maravilhosa. Continuamos em direção a casa, descansamos e acordamos pela primeira vez na cidade do amor. Eu. E o meu amor.


Trocadéro & Arc de Triomphe



A primeira paragem da nossa viagem foi o Trocadéro, porque escolhemos sair ali no metro e fazer o caminho até ao Arco de Triunfo a pé. Aproveitamos para estar ali um bocadinho enquanto ouvíamos o som de um violino e olhávamos para a Torre Eiffel. Infelizmente, não tenho fotografias porque o sol estava mesmo atrás da torre mas posso garantir-vos que vale muito a pena a vista dali.



Rumamos até ao Arco de Triunfo enquanto observávamos os edifícios incríveis da Avenida Kléber. Na verdade, a maioria dos edifícios em Paris são incrivelmente bonitos e repletos de detalhes maravilhosos. Extasiados com aquilo, de repente, estávamos ali. Diante do Arco de Triunfo, ansiosos por subir, por ver, por fotografar. E assim fizemos. Subimos 422 degraus e fomos premiados com uma vista absolutamente deslumbrante, apaixonante e arrepiante. Paris estava ali, diante dos meus olhos, em todo o seu esplendor, a 360°.



O Arco de Triunfo foi construído em comemoração às vitórias militares do Napoleão Bonaparte e é um monumento que vale muito a pena. Não é (só) cliché. É uma obra monumental e contém gravados o nome de 128 batalhas e 558 generais. Na base, o túmulo do soldado desconhecido que estava repleto de flores. Ainda antes dos últimos degraus antes de chegar ao topo, há uma sala ampla que nos conta a história deste monumento.

Pont des Arts & Musée du Louvre



Depois da visita ao Arco do Triunfo fizemos uma pausa para almoço e, de seguida, fomos para a Ponte das Artes – muito famosa pelos milhares de cadeados. A Ponte fica mesmo em frente a uma das entradas do Louvre e eu queria muito ver os cadeados porque sempre imaginei aquele um lugar mágico, que respira amor. E acho que a minha maior desilusão desta viagem foi chegar ali e perceber que os cadeados tinham sido todos retirados. Não havia um único cadeado e, confesso, por momentos achei que não estava na ponte certa. Mas estava. E fiquei triste, claro, mas também compreendo perfeitamente o porquê de os terem retirado.



Entramos no Louvre e eu perdi-me a olhar para aquele edifício absolutamente aterrador. O Louvre é magnífico por dentro e por fora. E é enorme – não é por acaso que é um dos maiores e mais famosos museus do mundo. Exteriormente, é lindíssimo e as pirâmides de vidro dão-lhe um ar ainda mais requintado. Mas... a verdadeira grandeza está no interior.



Não apanhamos fila nenhuma e, portanto, entramos muito facilmente. O museu está dividido em várias partes diferentes e eu não minto quando digo que estivemos lá quase até anoitecer e, mesmo assim, acho que não vi 1/4 do museu. É preciso horas para ver tudo mas posso garantir-vos que vale muito a pena. O Louvre tem uma colecção incrível de obras de arte e abrange cerca de oito mil anos de cultura ocidental e oriental. Não há como ficar indiferente num lugar destes. Vimos a Mona Lisa - até porque as viagens também são feitas de clichés, certo? - e tantas outras obras. Fiquei com pena. Queria ver mais, mas sei que o tempo não mo permitia. Do Louvre, fica a certeza de que um dia volto e, quando voltar, volto com tempo para ver tudo com calma. Do início ao fim.



Saímos, ficamos do lado de fora a apreciar tudo mais uma vez e, de seguida, fomos jantar. Tinhamos mais uma coisa planeada para aquele dia e, portanto, não havia tempo a perder.

Passeio de barco no Sena



Eu queria muito fazer um passeio de barco no Sena e o João alinhou comigo. Escolhemos o Bateaux Mouches e optamos por fazer o o passeio à noite como forma de rentabilizar o nosso tempo e não me arrependo. A experiência é verdadeiramente fantástica e é incrível ver Paris dali.

O percurso demorou cerca de uma hora e meia e dali vi não só as principais pontes como também alguns dos monumentos mais emblemáticos da capital francesa, como o Grande Palácio, a Torre Eiffel e a Catedral de Notre-Dame. E ainda que possam pensar o contrário, o facto de ter feito o passeio à noite não estragou a magia, até porque o barco tinha luzes muito fortes que apontavam para os monumentos, pelo que os víamos na perfeição. Para completar, o barco tinha aúdios em vários idiomas que iam explicando várias coisas sobre os diversos monumentos à medida que íamos passando. Estava tudo pensado ao pormenor e foi a forma perfeita de terminar o nosso primeiro dia na cidade do amor.



Em breve, conto-vos tudo sobre o nosso segundo dia em Paris. Entretanto, se tiverem questões, podem deixar nos comentários e eu respondo na última publicação desta série sobre Paris ou em vídeo, deal? By the way, se ainda não viram o vídeo de Paris no canal de youtube, podem vê-lo aqui.